O paraíso do vinho na América Latina

Todo bom apreciador de vinho sabe citar essa cidade como uma das melhores regiões produtoras do mundo. Mendoza, que fica próximo dos Andes, é um famoso destino de brasileiros e turistas de todos os lugares do mundo, que buscam pela bebida ou por aventura, já que é a cidade que está mais próxima do ponto mais alto das Américas, o Aconcágua.

Mendoza, muito segura por sinal, lembra a simplicidade típica do interior, com moradores acolhedores, comércio bem desenvolvido e, claro, ambientes propícios para a celebração da vida em espaços abertos e ao ar livre. Quem chega a cidade no Verão, por exemplo, encontra a população local aproveitando parques e praças com a família ou amigos. Para quem gosta desse tipo de passeio, precisa visitar o parque General San Martín durante o dia ou próximo do por do sol. Amplos espaços verdes, lago e muitas tonalidades de verde vibrantes encantam o público.

O clima é seco, quase não chove, então se prepare para enfrentar temperaturas altas, beirando os 40 graus. Protetor solar para pele, rosto e lábio precisam ser considerados em sua mala.

A Plaza Independencia, que fica no centro da cidade, também é muito utilizada pela população. Há espetáculos culturais, com danças típicas e uma feira de artesanato local todos os dias. Nas proximidades, você pode desfrutar de várias opções de restaurantes, bares e lojas de vinho, além das agências de viagem (para tours no entorno da cidade e nas vinícolas).

Plaza Independencia

Deste ponto é possível ir caminhando para o mercado central (av Las Heras), encontrar iguarias regionais como o doce de leite, ou andar pelas galerias comerciais na av San Martín (a principal da cidade e que corta vários distritos) até chegar ao Peatonal Sarmiento, com vários bares, restaurantes e lojas de vinho e alguns quiosques.

Nessa região você encontra também a loja Sol y Vino (seguindo em direção ao parque), uma boa opção para apreciar os melhores rótulos da região e os azeites mais encorpados. Procure por degustação de azeites e seja indicado para o La Sala de Maridajes, uma adega que combina a degustação de vinhos com um atendimento de primeira e as melhores empanadas que já comi até hoje. Você pode escolher uma garrafa para tomar lá ou levar (a degustação de 2 vinhos e de azeites estavam no voucher da loja e não foram cobradas). Você também pode tomar café ou almoçar no Bröd, uma padaria que serve pães artesanais em um menu bem desenhado e delicioso. Vale muito em qualquer hora do dia. Destaque para o atendimento, muito receptivo!

Em um segundo dia, aproveite para conhecer as vinícolas, uma das principais atividades econômicas da região, depois do petróleo. Há passeios que tomam o dia todo e incluem o almoço ou de meio período. São mais de 1200 bodegas espalhadas pela região, escolhi um tour na parte da tarde e acabei visitando 4 delas em um dia. Falarei mais dessas experiências em um outro post.

No final do dia, se não ficar alto demais com a quantidade de vinhos das degustações, siga para a avenida Arístides Villanueva. É super recomendada para badalar e jantar. Há uma infinidade de restaurantes e, pasmem, choperias artesanais. Tem espaço para todos os paladares e bolsos.

Calçadas largas permite que moradores ocupem a avenida para se divertir em bares, restaurantes e choperias

Outra opção, tão boa quanto, é a avenida Juan B. Justo. Nesta o destaque é para o restaurante Anna Bistrô. Lugar aconchegante, boa carta de vinhos e atendimento excelente. Fica aberto na parte da tarde e tem opções até de macarons, vale a visita.

Mendoza realmente é uma cidade para se comer e beber sem moderação. O valor da moeda, que favorece quem paga em Real ou Dólar, facilita que o turista não gaste muito. Não se prenda ao deslocamento, uber e Cabify são imprescindíveis para evitar cansaço nos pés e o custo é muito baixo (grandes deslocamentos saem próximos de 10 reais). Essa facilidade faz com que o aluguel de carro caia por terra (lembre-se que o intuito é experimentar vinhos diversos e álcool e direção não combinam).

Além das lojas e adegas, você pode comprar boas marcas locais de vinhos e espumantes nos supermercados a preços acessíveis, isso vale inclusive para marcas como Chandon, que tem preços bem melhores do que aqui no Brasil (garrafas de 750 ml próximos de R$ 30, dependendo da conversão do dia). Se estiver no tour de bodegas, certifique se não há rótulos especiais vendidos apenas neste espaço, já que é comum os especiais não serem disponibilizados no varejo.

Você ainda pode tirar um dia para explorar o entorno da cidade. Recomendam muito a região de Potrerillos e Cacheuta, com paisagens incríveis e termas. Há passeios que incluem uma ida até a base do Aconcágua, já com a entrada no parque. Vale pela paisagem do trajeto, com tonalidades distintas que combinam tons escuros das pedras e da terra. Não consegui fechar o pacote no começo deste ano por conta da quantidade mínima de pessoas para o passeio, recomendo deixar seu contato com as agências para avaliar as possibilidade, talvez seja preciso reprogramar as atividades que você previu para um dos dias.

Por fim, se perca em distritos próximos como Godoy Cruz, com ótimas opções de restaurantes, entre elas o Modesto Godoy, estilo bistrô e altamente recomendado, ou o TITO cocina al disco. Você também pode tentar reservar uma noite para curtir o casino ou mesmo apreciar um show de tango na Bodegas Caro (sempre as quintas-feiras – precisa de reserva).

Para se programar

  • Custo: muito acessível para estadia e alimentação. A parte mais cara da viagem pode ser a passagem aérea.
  • Alimentação: a melhor pedida para quem vai para a Argentina deve ser para pratos que levam carne, como o ojo de bife. Você ainda passa muito bem com opções que levam massa, risotos e, até mesmo, comida mexicana. Prefira as primeiras opções para harmonizar com uma bela garrafa de vinho Malbec. O custo é baixo, um bom lugar – incluindo prato principal, água, vinho e sobremesa, fica perto de R$ 30 a R$ 40.
  • Hospedagem: opções de hotel não tão caras dentro do distrito de Mendoza. Se quiser economizar, há bons apartamentos do Airbnb disponíveis em Godoy Cruz. Ah, você pode ainda optar por luxo e ostentação com locais próximos da cidade que são verdadeiros paraísos.
  • Transporte: uber e Cabify serão seus amigos. Fique atento ao preço, há variação considerável entre um serviço e outro, com Cabify ganhando em alguns momentos (aliás, eles estão com um projeto de carbono zero interessante, compensando a emissão dos carros da frota). No domingo não encontramos motoristas disponíveis e tivemos que apelar para o ônibus. Dica: precisa comprar o cartão em algum quiosque e colocar carga. Quando entrar no ônibus, valide o cartão encostando na máquina. Se precisar de help, o Moovit, app de mobilidade, funciona muito bem.
  • Noite: bares e restaurantes são os mais cobiçados. Movimento alto na Arístides começa depois das 21h e vai até 2h da manhã.
  • Mobilidade: cuidado com as valetas nas calçadas. Desenhada para dar suporte à vazão de água do descongelamento dos Andes pelos incas, as acequias, podem ser perigosas se você está caminhando ou se aventurando pela cidade. Para quem usa cadeira de roda, por exemplo, irá precisar redobrar a atenção a cruzar uma rua ou locomover-se pelas calçadas. Deficientes visuais precisarão de guias para orientar por onde pisar.

Ficou com dúvida sobre algo, quer compartilhar um dica? Comente aqui na publicação ou nas redes sociais.

Aprecie Mendoza sem moderação!